Centro Municipal de Dança


Centro Municipal de Dança da Secretaria Municipal da Cultura (SMC) articula as ações de dança de Porto Alegre, por meio da preservação da memória, do fomento à produção, formação de público, difusão e acesso às informações, atividades artístico-pedagógicas e constituição das relações com a produção em dança estadual, nacional, e internacional. O objetivo é valorizar os profissionais, promover a produção e o desenvolvimento da arte da dança, tornando-se um espaço de referência para a área na capital .


Bem Vindo!!!

29 de outubro de 2010

Quartas na Dança - "Awalin, as estrelas do mundo árabe" com a Escola Harém


Quartas na Dança 2010
O projeto Quartas na Dança nasceu em 2009 com o objetivo de fomentar a produção coreográfica dos grupos e companhias profissionais da capital e garantir o acesso do público a essa produção das mais diversificadas linguagens de dança. O projeto é realizado uma quarta-feira por mês, no Teatro Renascença, sempre às 20h, com entrada franca.

03 de NovembroAwalin, as estrelas do mundo ÁrabeEscola Harém

O espetáculo conta a vida e história de grandes bailarinas que marcaram época e consagraram a dança oriental tanto no oriente, quanto no mundo. Trata-se de um espetáculo que mistura pesquisa histórica, vídeos antigos e a performance das bailarinas interpretando a coreografia idêntica a das artistas, reproduzindo seu figurino e aspectos físicos. Uma história da dança oriental no cinema, no circo, nos grandes cabarés egípcios da década de 40 e sua chegada ao ocidente através da fama destas atrizes-bailarinas.

Ficha Técnica:
Direção e Concepção: Muna Zaki
Produção: Raissa Mahin
Cenário: Projeções em Ciclorama
Figurino: Balily Dança do Ventre
Produção Gráfica e Internet: Denis Soares
Produção de Áudio: Estúdio K9
Iluminação: Jorge Rodrigues
Bailarinas: Muna Zaki, Raissa Mahin, Kahina Fatin e bailarinas aprovadas pelo SATED em conclusão do curso de Formação Harem 2010
Músico: Fabiano Tuerlinkcx
Fotografia: Claudio Etges
Filmagem: Br Produções


Informações:(51) 3289 8065

28 de outubro de 2010

Pessoas III - As memórias



A Cia H apresenta a terceira parte da trilogia PESSOAS, em continuidade ao trabalho acerca da obra de Fernando Pessoa e seus heterônimos.

Inspirada na obra do heterônimo Ricardo Reis, Pessoas III – As Memórias, um espetáculo repleto de dança e poesia, onde a palavra percorre os domínios do corpo. Espetáculo de dança contemporânea, com Didi Pedone, Alexandre Rittmann, Mariano Neto, e grande elenco. Coreografado e dirigido po Ivan Motta.

Em cartaz nos dias 12, 13 e 14 de novembro, sexta e sábado as 21h e domingo as 20h, no Teatro Renascença.

Ingressos a R$20,00, com descontos para classe artística, idosos e estudantes. Desconto para o Clube do Assinante. Ingressos no local.

Mais informações: Luka Ibarra - Lucida Desenvolvimento Cultural

(51) 93923452 - 33725427

Mostra de Dança na Sala 209 da Usina

Mostra de dança de grupos convidados da
Sala 209 da Usina do Gasômetro

Estréia com entrada franca
Dia 06, Sábado às 20h,
com o espetáculo Chão, de Robson Duarte


Sábados e Domingos de Novembro às 20h
(Dias 06, 13, 14, 20, 21, 27 e 28 de Novembro)
Sala 209 da Usina do Gasômetro
(acesso pelo térreo após a Galeria dos Arcos à esquerda)
Ingressos: R$ 15,00 (R$ 8,00 para artistas, idosos, estudantes e assinantes do Jornal Correio do Povo)

Realização: GrupoTATO e Coletivo de Dança da Sala 209
Apoio: Eduardo Severino Cia de Dança, Jornal Correio do Povo, Secretaria Municipal de Cultura e Prefeitura de Porto Alegre

A Sala 209 da Usina do Gasômetro têm se firmado nos últimos anos como a sala pública de dança da cidade de Porto Alegre. Junto ao projeto Usina das Artes a 209 é gestada pelo GrupoTATO, com direção de Fernanda Carvalho Leite, e pela Eduardo Severino Cia de Dança, dele e Luciano Tavares. Com eles agregou-se um coletivo de grupos e artistas independentes que em colaboração promovem constantemente atividades como aulas de dança contemporânea em variadas técnicas, contato improvisação, ballet, jams, mostras, espetáculos, debates alem de ensaios e reuniões com pauta em torno do desenvolvimento político da classe. O coletivo foi agraciado com o IV Prêmio Joaquim Felizardo que homenageia os destaques da cultura em Porto Alegre.

A mostra será formada por um espetáculo e por coreografias entre 3min e 15min que a cada fim de semana terá um programa diferente.


Sem com texto

Foto: Laércio Sulczinski

Intervenção de dança com os bailarinos Luciano Tavares e Eduardo Severino e bailarinas convidados que acontecerá nas quartas-feiras, dias 3, 10, 17 e 24 do mês de novembro às 12h30min, na sala 209 na Usina do Gasômetro com entrada gratuita. As convidadas serão as bailarinas Luciana Paludo e Mônica Dantas.
O trabalho consiste numa intervenção de dança através de improvisações a partir do corpo e sua relação com o espaço, o som, o tempo no aqui e agora.
Serviço:
Local: Sala 209 na Usina do Gasômetro (passando a galeria dos arcos, 2º andar)
Horário: Às 12h30min. Duração – Entre 20 e 30 minutos
Com os bailarinos Eduardo Severino, Luciano Tavares, Luciana Paludo e Mônica Dantas.
Custo: Entrada Gratuita.

25 de outubro de 2010

Espetáculo Laboratório da Dança

EM 2010 O LABORATÓRIO DA DANÇA ESTÁ COMEMORANDO 10 ANOS!

PARA ABRIR AS COMEMORAÇÕES, TERÁ UM ESPETÁCULO DE DANÇA!!!

onde? TEATRO BRUNO KIEFFER, CASA DE CULTURA MÁRIO QUINTANA
quando? QUARTA-FEIRA, 27 DE OUTUBRO
a que horas? 20h30
quanto? ENTRADA FRANCA

Family Funky intercâmbios danças urbanas em Porto Alegre

Uma vez por mês Family Funky intercâmbios danças urbanas em Porto Alegre.
Ted - Produtor Dançarino e Coreógrafo
Companhia de Dança Hackers Crew

Próximo 30 de outubro /
Local: Cia de Arte 1780 Rua dos Andradas Centro de POA
Horário das 16:00 ás 20:00
Entrada : Free

As únicas coisas eternas são as nuvens


Curso de técnicas Corporais Chinesas

Andrea Spolaor numa parceria com Eduardo Severino Cia. de Dana e Sala 209 oferece o curso de Técnicas Corporais Chinesas, técnicas que fazem parte de sua preparação como bailarina. Neste curso trabalharemos as técnicas
Lian Gong em 18 Terapias e Xian Gong.

Ambas as práticas podem ser executadas por pessoas de todas as idades, tem músicas compostas especialmente para sua realização, so de fáceis de aprender e executar e não necessitam de conhecimento prévio de atividades corporais.

A primeira, chamada Lian Gong em 18 Terapias foi desenvolvida de acordo com as características anatômicas e fisiológicas das diversas regiões do corpo, tem se revelado uma excelente ferramenta para prevenir a maioria dos problemas decorrentes de má postura, fortalecer as estruturas fsicas, tendões, articulações e musculatura e, restaurar a movimentação natural do corpo.

A segunda, Xian Gong, significa Treinamento Perfumado uma prática corporal composta de dois níveis.
O nível um tem quinze movimentos realizados pelos antebraços e mãos, pode ser praticado em pé ou sentado, exercitando a parte superior do corpo que de natureza yang e celeste. O nível dois tem quinze movimentos que exercitam a parte superior e inferior do corpo (de natureza yin/terrestre). O objetivo da prática de eliminar doenças e vitalizar o corpo. Durante a sua prática percebe-se aromas e fragrâncias diversos. Após a sua prática percebe-se seus benefícios.

Local: Sala 209 da Usina do Gasômetro
Data: 13 de novembro
Hora: de 10h a 15h
Valor: 60,00
Inscries por e-mail: deiaspolaor@yahoo.com.br
*vir com roupas e sapatos confortáveis*

Cia Muovere faz temporada no Rio de Janeiro




24 de outubro de 2010

Despedida a Irmgard Hofmann

Recordar de Dona Irmgard é um agradável exercício, por inúmeros motivos. Primeiro porque minha história enquanto pesquisador de História da Dança está intimamente e entusiasticamente marcada pelo nosso encontro. Mas também pela descoberta e reafirmação da importante figura que ela foi para a cena cultural do Rio Grande do Sul. E talvez mais do que tudo isso, de uma amiga querida, sensível, bem-humorada e generosa.
Quando comecei a me aventurar a pesquisar as origens da dança em Porto Alegre contava com uma cópia datilografada das pesquisas de Morgada Cunha e Cecy Franck, que na época não haviam sido publicadas ainda. Lá aparecia o nome de Irmgard Hofmann Azambuja e algumas linhas sobre seu trabalho na década de 30. Num primeiro momento ficou apenas um desejo de intrigante de saber mais. Perguntava para professoras de balé mais antigas, buscava encontrar outras referências sem sucesso. Não sabia se ainda estava viva ou não. Em 2003, quando assumi as aulas de História da Dança, na Universidade Estadual do RS, propus aos alunos o exercício investigativo das origens da dança no Estado. A uma das alunas coube Irmgard e uma certa tristeza de tão pouco material sobre ela. Mas a aluna, Rose Nunes, começou a procurar, indo, inclusive investigar guias telefônicos antigos, até que encontrou uma senhora de mesmo nome, ligou e perguntou se era da residência de Irmgard. E ouviu a seguinte resposta: Sim, é ela mesma.
A partir daí minha aluna produziu um belo trabalho inicial e seguiram-se vários encontros meus com Dona Irmgard em sua residência, no chá da tarde. Foi assim que fomos descobrindo que com pouco mais de sete anos, em 1925, ela já havia subido ao palco, em uma ópera no Theatro São Pedro. Que formava, ao lado de Lya Bastian Meyer, Tony Petzhold e Salma Chemale, os pilares do balé clássico em Porto Alegre. Que as quatro dividiram o palco, em 1928, na primeira apresentação do Instituto de Cultura Física, de Nenê Dreher e Mina Black. Que teve sua própria escola de balé no final da década de 30, o Instituto Coreográfico Irmgard Hofmann. Que a jovem bailarina realizou viagem de estudos pelo Brasil, fazendo aulas com mestres como o tcheco Vaslav Veltscheck, do Municipal do Rio de Janeiro. Que, em 1938, suas bailarinas Leda Acauan, Berenice Faedrich e Érica Renner apresentam Valsas e Danças Húngaras, de Brahms, que encantou o crítico do jornal Correio do Povo, Aldo Obino.
Ficamos sabendo que ela deixou de ser professora por opção (e por conselho de um crítico do jornal Diário de Notícias), para ser artista e solista que se apresentou em inúmeras cidades do Estado, divulgando a arte do balé e encantando o público com seu talento e técnica ao som de Chopin, Debussy e Grieg.
E as surpresas não se esgotavam. Com orgulho especial ela revelou que foi primeiro violino da OSPA, tendo sido regida pelo maestro e compositor Villa-Lobos. Que depois de ter se afastado dos palcos não largou a dança e ampliou seu interesse para ioga (tendo publicado três livros sobre o tema). E que ainda tinha uma turma de alunas setuagenárias que se encontram em sua casa, não apenas para conversar, mas para se exercitar e dançar. E, como talvez, meu olhar traduzisse incredulidade, trouxe uma fita VHS em que me mostrou um balé cósmico no qual ela dançava com as alunas, representando astros, planetas e outros corpos celestes. Sim, aquele senhora que me servia chá e em breve completaria 90 anos, dançava e comandava o baile ainda.
Como se não bastasse, Dona Irmgard me confiou, por 24 horas, seus cadernos de recortes e fotos para que eu fizesse cópias. Álbuns amarelados com programas e críticas de jornais. Assim, pude ir aos poucos recuperando essa decisiva e inestimável participação na formação da dança cênica em nosso Estado.
E tinha mais. De uma gaveta ela me revelou um tesouro (ainda que ela não assim o considerasse): um álbum com centenas de fotografias de poses e seqüências de balé com a descrição escrita à mão. Um material da década de 1930 e que arrisco afirmar que possa ser o primeiro manual sistematizado de balé no Brasil.
Enfim, sucederam-se vários encontros para minha felicidade. Tardes inteiras ouvindo histórias de dança. E um convite do qual muito me honro, de estar presente no sua festa de aniversário de 90 anos. Segundo Irmgard, em entrevista à pesquisadora Rose Nunes, em 2003, declarou que nunca parou de dançar: “danço até hoje, em minha intimidade, basta ouvir alguma música que me comova, ou desperte minha atenção por sua beleza, ou até mesmo quando acontece algum fato ou momento que me comova, sinto vontade de dançar.”
E foi inevitável, frente ao reconhecimento de tanto trabalho para afirmar a arte da dança, homenageá-la em 2005, no Dia Internacional da Dança, quando cerca de 2 mil pessoas aplaudiram-na em pé no Salão de Atos da UFRGS. E, posteriormente, indicá-la ao Prêmio Joaquim Felizardo, que destaca todos aqueles que tiveram uma contribuição inestimável à cultura local.
Não consegui realizar, contudo, um plano secreto nosso. O de no Dia Internacional da Dança, valsarmos junto para comemorar a data, dando início a um grande baile. Ela tinha aceito o convite, mas acabei envolvido com lidas acadêmicas nos últimos anos que me afastaram dessa concretização. Azar o meu, pois Dona Irmgard seguiu seu bailado pelo grande salão da galáxia, afinal esse é o lugar de toda estrela. Se um dia arrumar outra parceira para minha valsa (que terá como intuito homenageá-la mais uma vez), tenho certeza que ela vai autorizar, e uma luzinha vai estar brilhando mais forte lá no céu, ajudando a marcar a contagem: um, dois e três; um, dois e três; um, dois e três...


Airton Tomazzoni, 24 de outubro de 2010.

19 de outubro de 2010

Centro Municipal de Dança abre inscrição para Mostra de Dança de Rua

Com o objetivo de valorizar e difundir a dança de rua de Porto Alegre, o Centro Municipal de Dança abre inscrições para a tradicional Mostra de Dança de Rua de Porto Alegre, que será realizada no dia 10 de novembro, no Teatro Renascença (Av. Erico Verissimo, 307), às 21h. O prazo das inscrições vai até o dia 28 de outubro. Em anexo segue a ficha de inscrição que pode ser enviada ao Centro de Dança. Informações: 3289-8065/ centrodedanca@smc.prefpoa.com.br.
A iniciativa pioneira, da Secretaria Municipal da Cultura, teve sua primeira edição em 2005 e reuniu 11 companhias, muitas delas pela primeira vez no palco do Teatro. A produção de dança de rua vem se destacando nos últimos anos, no Brasil e no mundo com o crescimento no número de festivais, grupos, eventos e alunos que procuram a técnica, bem como tendo presença marcante em coreografias de comerciais na televisão, no cinema e, em especial, nos videoclipes. Porto Alegre é a sede de uma das mais antigas companhias, a Hackers Crew, que esteve em temporada na França. O Grupo Batida de Rua comemorou recentemente seus 10 anos de atividade com espetáculo financiado pelo Fumproarte. E o espetáculo My house, de Marco Rodrigues (Bocão) recebeu o Prêmio Açorianos de Melhor Espetáculo de Dança (2009).

14 de outubro de 2010

Lançamento do livro "Pedagogia da Arte"

Dia 25 de outubro, segunda-feira, às 19h, na sala 608 da Faculdade de Educação da UFRGS, será lançado o livro PEDAGOGIA DA ARTE: ENTRE-LUGARES DA CRIAÇÃO, pela Editora da UFRGS, organizado pelo professor prof. Dr. Gilberto Icle. A obra coletiva conta com textos de destacados pesquisadores de áreas como dança, teatro, artes visuais. Entre os autores: Airton Tomazzoni, Flavia Valle, Celina de Alcântara e Analice Dutra Pillar.


Oficina gratuita de dança para jovens gays


No próximo dia 16 de outubro, sábado, inicia a Oficina de Dança Contemporânea gratuita dirigida a jovens, com idades entre 14 e 21 anos, que tenham interesse em explorar a cultura LGBT e o universo pop através da dança e da linguagem coreográfica que utilizam o corpo como recurso performático.
Este trabalho é coordenado pelo SOMOS - Pontão de Cultura LGBT e tem o apoio do Projeto Qual é a Sua?, da Fundação Schorer, da Holanda, além da Secretaria de Cidadania Cultural do Ministério da Cultura.
O ministrante da oficina será o bailarino e ator Nilton Júnior. Atualmente desenvolve pesquisas de dança e interpretação corporal como performer, e é interprete da dragqueen Cassandra Calabouço. Jr recebeu o Prêmio Açorianos de Dança – Melhor Bailarino (2010), pelo espetáculo Abobrinhas Recheadas.
Serão oito encontros, sempre aos sábados, na Companhia de Arte (rua dos Andradas, 1780) a partir do dia 9 de outubro. Serão abordandos temas como gênero, construção de sentidos entre o que se vê e o que se ouve, transformismo e cultura queer, a oficina realizará como conclusão uma performance, resultante dos conhecimentos adquiridos durante o curso.
Como as vagas são limitadas e os participantes irão receber uma ajuda de custo e é necessário fazer sua inscrição pelo e-mail oficinas@somos.org.br

Espetáculo "A primeira entrega"


A Primeira Entrega é um espetáculo de dança contemporânea que aborda as diferentes entregas que fazemos no decorrer da vida. Concebido em três “atos” – a aceitação, a religião e os relacionamentos íntimos. Possibilitando ao publico não só um espetáculo de entretenimento, mas sim, também, uma reflexão das possíveis entregas que estamos sujeitos a realizar e o como lidar com as “entregas” das pessoas que nos cercam.
A direção é de Alexandre Rittmann.
O espetáculo acontece nos dias 16,17,23 e 24 de Outubro no Teatro do Museu do Trabalho (Rua dos Andradas, 270) aos sábados e domingos às 19h.
Os ingressos custam R$ 15,00.
Financiamento do Fumproarte.
Contatos de Produção: Alexandre Rittmann – 92466324

13 de outubro de 2010

Bundaflor, Bundamor


Bundaflor, Bundamor em nova proposta Bundaflor Bundamor retorna aos palcos da cidade na sala 209 na Usina do Gasômetro (Av. Presidente João Goulart, 551) nos dias 9, 10, 16, 17, 23 e 24 de outubro, sábados e domingos às 20h, com os coreógrafos/bailarinos Eduardo Severino e Luciano Tavares (Núcleo artístico da Eduardo Severino Cia. de Dança) e com intervenções de bailarinas convidadas especialmente para esta temporada e para este trabalho, são elas: Mônica Dantas, Viviane Gawazee, Cibele Sastre, Luiza Moraes e Luciana Hoppe.
As intervenções das artistas convidadas acontecem durante o espetáculo, a partir do olhar de cada uma delas sobre esta parte do corpo, a bunda.
A obra que será mostrada em Porto Alegre é um desdobramento do espetáculo estreado em 2008. Este desdobramento foi mostrado em Santiago/ Chile no evento Sindicato da Performance2 em janeiro de 2010 com financiamento do Programa de difusão cultural e intercâmbio do Ministério da Cultura com o projeto Intercâmbio Brasil/Chile e na cidade de São Paulo no Teatro da Dança no projeto Bem Casado da Secretaria de Cultura do Estado de São Paulo em abril de 2010.
Bundaflor, Bundamor propõe um olhar diferenciado a essa parte do corpo humano, atentando para a sua constituição, o seu desenho e as suas possibilidades motoras. A bunda brasileira, formada graças à herança genética africana, é massa carnal rebolante que mostra a nossa alegria mestiça, em algumas manifestações mais originais. Eduardo Severino e Luciano Tavares abordam com humor o imaginário brasileiro, brindando nos movimentos de seus corpos para além da banalização dos elementos que compõem o real e o simbólico desse universo. “Como dizia Drummond, é o milagre de ser duas em uma, plenamente, e bunda é a bunda, redunda. E bem como viu Jean-Luc Henning em sua Breve história das nádegas, a bunda é barroca, sim: a bunda é barroca. Curva e plenitude”.

Passagens de um cotidiano - Cia Estilo de Rua


Dia 16 de Outubro de 2010 às 21h.
Teatro do CIEE
Ingressos R$15 antecipado e R$ 20 no local

Adios com Studio F Cia de Dança